Por Eduardo Luiz
09/06/2021, 21h30

Time de Abel Ferreira conseguiu ser derrotado no tempo regulamentar, e depois, nos pênaltis, deu a pipocada tradicional desperdiçando 4 cobranças.

(Foto: Cesar Greco/Palmeiras)

Primeiro tempo

Com o mesmo esquema da vitória sobre a Chapecoense, mas com Felipe Melo de único volante, já que Patrick de Paula ficou fora por lesão, o Palmeiras iniciou o jogo procurando o gol. Aos 4 minutos Rony cruzou para Wesley, que tentou fazer um golaço de letra e desperdiçou ótima chance. O castigo veio imediatamente: aos 5, Victor Luis tentou acionar Renan de cabeça mas deu a bola nos pés de Diego Torres, que passou para Ewandro tocar na saída de Weverton: 0 a 1.

Com o confronto empatado, o Verdão se desestabilizou. Abalado, Victor Luis errava tudo que tentava, e o time insistir em jogar com ele. Esse panorama de desorientação e de escolhas erradas durou pouco mais de 15 minutos. Aos 23, quando jogou com Mayke pelo ouro lado, o gol de empate quase saiu: o lateral enfiou para Rony, o atacante passou pelo goleiro e chutou fraco, a tempo de Gum salvar sobre a linha.

Aos 30 minutos, após bate-rebate dentro da área, a bola sobrou para Scarpa chutar torto, para fora. Aos 37, Victor Luis tentou se redimir acertando um belo chute de fora da área, mas o goleiro fez grande defesa; no rebote Wesley levantou na cabeça de Felipe Melo e o volante ajeitou para Renan, que todo desajeitado concluiu para fora. Aos 41 minutos Raphael Veiga chutou cruzado e Rony não alcançou.

Nos minutos finais da etapa inicial o Palmeiras intensificou a pressão. Aos 45, Scarpa bateu colocado e o goleiro tirou com os olhos. Dois minutos depois Veiga experimentou da entrada da área e Diogo fez boa defesa, evitando o empate e garantindo a vitória parcial até o intervalo.

continua após a publicidade

Segundo tempo

Sem alterações, o Palmeiras voltou para o segundo tempo perdendo mais um gol: logo no primeiro minuto Raphael Veiga cruzou, a defesa cortou mal, nos pés de Luiz Adriano, que chutou no canto do goleiro. A chance criada deu a impressão que o time de Abel Ferreira pressionaria o adversário, mas não foi o que aconteceu. Com o passar do tempo o Verdão foi ficando cada vez mais nervoso.

Aos 12 minutos Raphael Veiga arriscou de fora da área e carimbou o adversário. Aos 14, num rápido contra-ataque, o CRB só não fez o segundo porque Weverton salvou cara a cara com Diego Torres. Aos 18 minutos Scarpa levantou na área e Rony balançou a rede, mas pelo lado de fora.

Percebendo que para o gol sair seria um parto, aos 23 minutos Abel promoveu três alterações: Mayke, Felipe Melo e Rony deram lugar a Marcos Rocha, Zé Rafael e Breno Lopes. A partir das mudanças, no entanto, a tática alviverde passou a ser: bola pro Scarpa, que encarnou o “chuta-chuta”. Do minuto 26 ao 31 foram 4 finalizações do camisa 14; na melhor delas, a última, de falta, o goleiro fez ótima defesa.

Aos 33 minutos Wesley cruzou para Breno Lopes bater de primeira, de canhota, também parar em Diogo. No minuto seguinte Abel Ferreira queimou as últimas duas alterações a que tinha direito: Raphael Veiga por Lucas Lima, e Wesley por Willian. Aos 42, Breno Lopes tentou um chute colocado, para fora.

Nos acréscimos o Palmeiras seguiu pressionando na base da vontade. Aos 47 minutos Marcos Rocha soltou a bomba e viu Diogo fazer milagre; no rebote Breno Lopes fez o gol, mas em impedimento. Aos 51 Scarpa arriscou seu último chute e viu a bola tirar tinta do travessão. Com placares iguais na ida e na volta, a decisão da vaga nas oitavas de final da Copa do Brasil foi para os pênaltis.

O CRB ainda quis ajudar ao desperdiçar três cobranças, mas o Palmeiras foi mais generoso e errou quatro das sete que cobrou. Luiz Adriano chegou a ter a bola da classificação nos pés, mas manteve o péssimo aproveitamento recente e mandou na trave. Um vexame histórico.

O Palmeiras volta a campo às 19h de sábado (12/6) para enfrentar o Corinthians, no Allianz Parque. Será o clássico dos eliminados.

Notícias relacionadas: