Por Eduardo Luiz
14/07/2022, 22h25

Verdão fez o placar que precisava (2 a 0), até o árbitro não marcar pênalti em Dudu e inventar um para o adversário. Nas penalidades o rival ficou com a vaga.

(Foto: Cesar Greco/Palmeiras)

Primeiro tempo

Com Gabriel Veron de titular na vaga de Rony, o Verdão iniciou a partida partindo para cima do São Paulo. Logo na saída de bola Zé Rafael enfiou para Raphael Veiga, que já dentro da área teve o chute travado por Miranda. Aos 7 minutos Scarpa cobrou escanteio, Zé fez a casquinha e Murilo, de cabeça, perdeu chance incrível.

O gol alviverde acabou saindo ainda antes do décimo minuto: aos 9, Veron fez boa jogada pelo lado direito do ataque e cruzou rasteiro para dentro da área, onde Piquerez chegou chutando: 1 a 0. A torcida que lotou o Allianz Parque ainda comemorava quando aos 12 minutos saiu o segundo gol. Dudu percebeu a infiltração de Veiga e fez o passe; o meia chutou de primeira, no canto direito de Jandrei, que nem se mexeu: 2 a 0.

Com a vantagem que precisava em mãos, o Palmeiras diminuiu a intensidade e cedeu campo ao São Paulo. Aos 17 minutos, após bate-rebate na área, Calleri finalizou fraco, fácil para Weverton. Aos 21, Igor Gomes arriscou de dentro da área e Gómez bloqueou. Três minutos depois Igor Vinícius cruzou na cabeça de Patrick, que escorou para fora.

Aos 26 minutos Dudu driblou Wellington, e o lateral, que já tinha cartão, derrubou o camisa 7 na área. Pênalti sonegado por Leandro Pedro Vuaden e pelo VAR. Era uma mostra do que estava por vir… Favorecido pela arbitragem, o São Paulo seguiu em busca do seu gol, que quase saiu aos 32 minutos: Igor Vinícius cruzou, Gómez afastou mal, a bola explodiu em Murilo e sobrou para Calleri chutar rente à trave direita de Weverton.

Com espaços para contra-atacar, o Palmeiras perdeu outra boa chance aos 38 minutos: Dudu cruzou de canhota, a defesa do São Paulo se atrapalhou e Raphael Veiga quase aproveitou. Aos 39, Raphael Veiga deu ótimo passe para Veron, que passou pelo goleiro, mas perdeu a passada e deu tempo do adversário se recuperar. Aos 40 minutos, depois de escanteio, Scarpa arriscou da entrada da área, por cima.

Antes do primeiro tempo terminar o Verdão voltou a ficar mais com a bola e criou outras duas oportunidades. Aos 45 minutos Scarpa cobrou falta sofrida por Zé Rafael, direto nas mãos de Jandrei. Aos 47, o camisa 14 recebeu pelo lado esquerdo do ataque e ao invés de tocar para Veiga, livre na área, tentou uma finalização de rosca que não ofereceu perigo à meta adversária.

continua após a publicidade

Segundo tempo

O segundo tempo começou com o São Paulo buscando o gol. Foram 3 escanteios em menos de 5 minutos, mas nenhum deles resultou em perigo para Weverton. Aos 5, em contra-ataque, Dudu tabelou com Raphael Veiga e chutou em cima do zagueiro. Aos 9, Igor Vinícius arriscou de canhota, fácil para Weverton.

Aos 15 minutos Veiga enfiou para Veron chutar rasteiro; o goleiro falhou, mas na sobra Miranda afastou antes da chegada do camisa 23. Após a cobrança de escanteio, Dudu soltou a bomba e Calleri espalmou. Pênalti claro que só foi confirmado após Vuaden consultar o VAR. Não tinha como não marcar… Quatro minutos depois da infração, Raphael Veiga foi para a cobrança e isolou.

Na retomada do jogo o São Paulo foi favorecido descaradamente pela arbitragem. Calleri – em impedimento – disputou a bola com Gómez, dominou no braço, puxou a camisa do zagueiro e na sequência colocou a mão ma bola. Inexplicavelmente o VAR recomendou revisão, e de maneira absurda Vuaden assinalou pênalti para o adversário. Luciano cobrou e diminui: 2 a 1.

O Verdão sentiu o assalto, assim como a torcida, que “murchou”. Para tentar fazer o time reagir, aos 31 minutos o técnico Abel Ferreira trocou Gabriel Veron por Breno Lopes. Não adiantou. Aos 35, Calleri chutou da entrada da área, para fora. No lance seguinte Dudu quase marcou um golaço ao chutar rasteiro, no contrapé do goleiro, que fez boa defesa. Aos 37, Breno Lopes tocou para Scarpa finalizar de direita e também parar em Jandrei.

Aos 39 minutos Abel fez as últimas mexidas: Dudu por Wesley, e Zé Rafael por Gabriel Menino. Aos 42, Scarpa cobrou falta na entrada da área, à direita do goleiro. Vuaden queria que a decisão fosse para os pênaltis, e por isso deu apenas 5 minutos de acréscimo. Dentro do tempo extra o São Paulo ainda fez dois minutos de cera, mas o árbitro se fez de sonso.

Assim como em 2018, depois de ser operado no tempo regulamentar pelo VAR Clandestino da FPF, o Palmeiras foi para a disputa de pênaltis destroçado emocionalmente pela arbitragem da CBF. Raphael Veiga (de novo) e Wesley desperdiçaram suas cobranças, enquanto que o adversário só perdeu uma. Assim o Verdão selou a eliminação na Copa do Brasil. Na conta da CBF e de Leandro Pedro Vuaden, que foi escalado para isso.

O Palmeiras volta a campo às 20h de segunda-feira (18/7) para enfrentar o Cuiabá pela 17ª rodada do Brasileirão. O jogo será realizado no Allianz Parque.

Notícias relacionadas: