Por Eduardo Luiz
30/03/2022, 23h53

Arbitragem da FPF inventou pênalti para o São Paulo e sonegou dois para o Palmeiras. Rival venceu por 3 a 1.

(Foto: Cesar Greco/Palmeiras)

Primeiro tempo

Com o retorno de Weverton, mas ainda sem Danilo, o Palmeiras iniciou o jogo melhor que o São Paulo. Aos 3 minutos, em rápido contra-ataque, Piquerez recebeu de Dudu e cruzou para Scarpa, o zagueiro furou, mas o camisa 14 não contou com o erro adversário e deixou a bola passar. Aos 9, outra vez o uruguaio surgiu bem pela esquerda ao driblar seu marcador; na sequência ele cruzou para Raphael Veiga, que chutou de primeira, rente à trave direita do goleiro.

A resposta do São Paulo surgiu aos 11 minutos: Wellington recebeu livre pela esquerda e cruzou para Alison – também livre na área – chutar no travessão. Aos 15, após jogada ensaiada em escanteio, Dudu cruzou forte para a área, a defesa sãopaulina desviou e o árbitro ignorou o novo tiro de canto. Era um sinal do que viria mais tarde…

Aos 15 minutos Raphael Veiga cruzou fechado e Rony tentou finalizar de letra, mas furou; a bola passou pelo Palmeirense mas Jandrei mostrou reflexo para defender. Depois dessa jogada o clássico esfriou, muito em função da postura violenta do São Paulo, que abusava das faltas – algumas desleais, para parar o Verdão.

A partida caminhava para o intervalo quando aos 48 minutos o VAR inventou um pênalti de Marcos Rocha; inacreditavelmente o árbitro confirmou a “infração” (num cruzamento, a bola bateu no ombro do lateral e na sequência resvalou em sua mão, que estava colada ao corpo). Calleri cobrou e abriu o placar: 1 a 0 e fim de papo no primeiro tempo.

continua após a publicidade

Segundo tempo

O Palmeiras voltou para a etapa final sem conseguir reagir ao assalto sofrido no final do primeiro tempo. Perdido, o time não conseguia trocar três passes seguidos. Melhor para o São Paulo, que partiu em busca do segundo gol. Aos 15 minutos Alison bateu forte, nas mãos de Weverton.

Aos 18 minutos Pablo Maia soltou a bomba e Murilo desviou no meio do caminho, tirando Weverton da jogada: 2 a 0. O Verdão tentou reagir aos 22, com Scarpa: o camisa 14 cobrou falta direto nas mãos de Jandrei. Para tentar mudar o rumo da partida, aos 23 minutos o técnico Abel Ferreira promoveu duas alterações: Scarpa e Dudu saíram para as entradas de Veron e Wesley, respectivamente. Pouco depois, aos 28, foi a vez de Zé Rafael dar lugar a Atuesta.

Não satisfeita com o pênalti inventado no primeiro tempo, a arbitragem sonegou uma penalidade clara em Gómez aos 30 minutos (foi agarrado por Igor Gomes na área). Na sequência a bola bateu na mão de um sãopaulino dentro da área em lance igual ao de Marcos Rocha, mas desta vez o VAR se fez de cego.

Jogando contra 18, o Palmeiras sucumbiu. Aos 35 minutos, após escanteio, Calleri se livrou de Wesley e aproveitou bola desviada no primeiro pau para fazer 3 a 0. Aos 39 minutos Raphael Veiga cobrou direto uma falta sofrida por Wesley e descontou: 3 a 1. No lance seguinte o camisa 23 arriscou um chute de fora da área e viu a bola tirar tinta da trave esquerda. E foi só.

O jogo de volta da final acontecerá às 16h de domingo (03/4), no Allianz Parque.

Notícias relacionadas: