Por Eduardo Luiz
10/08/2022, 23h48

Danilo foi expulso no primeiro tempo, e Scarpa no segundo; Palmeiras levou o 0 a 0 até o final e se garantiu nas penalidades, convertendo todas e com Weverton decisivo.

(Foto: Cesar Greco/Palmeiras)

Primeiro tempo

Com o esperado retorno de Rony, o Palmeiras iniciou o jogo tentando tomar a iniciativa, mas encontrando um adversário bem postado defensivamente e armado para contra-atacar. Aos 5 minutos, em falta ignorada pelo árbitro lá na frente, o time visitante foi rápido para percorrer todo campo e finalizar com Ademir, nas mãos de Weverton. A resposta alviverde veio no lance seguinte: Piquerez fintou Allan e bateu para fora.

Aos 7 minutos Dudu cruzou pelo lado esquerdo do ataque, Rony não conseguiu desviar e Scarpa quase aproveitou no lado oposto, mas Guilherme Arana estava esperto e interceptou. Aos 13 minutos Keno arriscou de fora da área, fácil para o goleiro Palmeirense.

O jogo era equilibrado. Aos 21 minutos Keno cobrou falta, Weverton afastou parcialmente com um soco e a bola sobrou para Marina chutar fraco, nas mãos de Weverton. Aos 28, numa disputa no meio-campo, Danilo ergueu demais o pé e acertou a canela de Zaracho. Em campo o árbitro aplicou apenas amarelo, mas o VAR recomendou a expulsão, que foi aplicada.

Com 10 em campo, o Verdão se rearrumou em campo e passou a contar ainda mais a torcida, que aumentou o volume no Allianz Parque. Aos 31 minutos Dudu tentou aproveitar Everson adiantado, mas colocou pouca força na bola. Aos 35, um lance polêmico: Scarpa cobrou falta e o goleiro deu um murro na cabeça de Gómez; o auxiliar assinalou impedimento do paraguaio e aparentemente a jogada não foi para a revisão do VAR.

O Atlético-MG só conseguiu fazer valer a superioridade numérica em campo aos 38 minutos: Mariano foi à linha de fundo e cruzou para Hulk bater de primeira; Weverton poderia segurar, mas com o campo molhado por causa de uma chuva fina, espalmou. A última finalização do primeiro tempo foi do Palmeiras: aos 43 minutos Scarpa cobrou falta de muito longe, sem direção.

continua após a publicidade

Segundo tempo

O Palmeiras voltou para o segundo tempo sem alterações e com a única proposta tática possível: se defender e tentar a sorte em algum contra-ataque ou numa bola parada. Aos 10 minutos, após rebate de um lateral cobrado por Marcos Rocha, Zé Rafael arriscou de primeira e bateu com perigo, à direita do goleiro. Aos 11, Allan experimentou de média distância, por cima.

Aos 15 minutos Jair perdeu ótima chance de cabeça após cruzamento de Mariano, mas se o gol sai seria anulado por impedimento. Três minutos depois Zaracho soltou a bomba da entrada da área e Weverton mandou para escanteio. Aos 21, lance parecido: Allan arriscou de média distância e o goleiro Palmeirense repetiu a defesa.

O Verdão foi ter outra chance apenas aos 25 minutos com Scarpa, de falta; o camisa 14 bateu de muito longe direto nas mãos de Everson. Aos 30, Hulk também teve uma oportunidade de bola parada, mas isolou. No lance seguinte, em outra falta, Scarpa cruzou e a bola cruzou por toda área atleticana.

Aos 36 minutos, em outra disputa no meio-campo, Scarpa sofreu falta, o árbitro mandou seguir e na sequência o camisa 14 acertou Allan por cima; o árbitro deu a falta para o Palmeiras e expulsou o camisa 14. Com 2 homens a menos, o técnico Abel Ferreira finalmente mexeu na equipe: Marcos Rocha e Dudu deram lugar a Mayke e Luan, respectivamente.

No primeiro dos cinco minutos de acréscimo o Atlético-MG teve ótima chance para matar o jogo: Veiga perdeu a bola para Vargas e o chileno tocou para Hulk bater cruzado, para fora. Aos 47, Hulk cruzou buscando Vargas, a bola passou direto pelo atacante e explodiu na trave. No último lance da partida Rony sofreu falta de Allan, o árbitro marcou e acabou expulsando Vargas por reclamação (já tinha um amarelo). No meio da confusão o juiz encerrou o jogo. Como todos esperavam a cobrança da falta, o auxiliar Vitor Castanheira invadiu o campo para reclamar e também foi expulso.

Nos pênaltis, o Palmeiras quebrou uma escrita recente muito ruim e converteu todas cobranças, as 6 que teve (com Raphael Veiga, Gómez, Zé Rafael, Piquerez, Rony e Murilo); Weverton defendeu uma, de Rubens: final 6 a 5. CLASSIFICAÇÃO HISTÓRICA!

O maior clube brasileiro da Libertadores aguarda o rival da semifinal; será Estudiantes ou Athletico-PR, que se enfrentam nesta quinta-feira, na Argentina (na ida houve empate em 0 a 0).

Agora o Verdão muda o foco novamente para o Brasileirão; sábado (13/8) o adversário será o Corinthians, às 19h, em Itaquera.

Notícias relacionadas: