Por Tática Didática
22/04/2022

(Foto: Cesar Greco/Palmeiras)

Palmeiras e Flamengo realizaram nesta quarta-feira em um Maracanã abarrotado por torcedores rubro-negros um dos melhores jogos do Brasil em 2022. Com dois técnicos portugueses que primam pela organização de suas equipes, vimos um duelo tático muito interessante.

Pelo lado do Palmeiras, o alviverde inicia o jogo tentando se impor, marcar a saída de bola do adversário e manter a posse de bola, como foi no início do jogo contra o São Paulo no Morumbi na fase de grupos do Paulistão. Obviamente que há do outro lado um time extremamente qualificado que também gosta de se impor no campo de ataque. O resultado disso foi um 1º tempo muito bom de assistir, com as duas equipes competindo ao máximo, e criando boas oportunidades de gol.

Abel Ferreira trouxe algo de diferente para esse duelo em relação a histórica final da Libertadores entre os dois times alguns meses atrás. Se naquele jogo, o Palmeiras recuava Scarpa como um ala e jogava com uma linha de 5 muito bem definida, na partida do Brasileirão isso não ocorreu. A estratégia do português palmeirense de Penafiel foi utilizar algumas marcações individuais, e a que mais me marcou foram as longas perseguições de Piquerez com Everton Ribeiro, o lateral uruguaio acompanhava o meia flamenguista quase que no campo todo, mesmo que isso quebrasse a linha de quatro defensores. Ainda não tinha visto perseguições individuais tão longas nesse time de Abel. O cuidado que Scarpa tinha que ter era acompanhar Isla pelo corredor, para que o lateral chileno não se aproveitasse do espaço deixado por Piquerez.

É notório que Abel sempre traz algumas coisas diferentes para essas grandes partidas, e na maioria das vezes funciona muito bem, tanto que o Palmeiras nos jogos grandes é um dos adversários mais difíceis de ser batido, e por isso vem empilhando taças. A questão que fica para o restante do Brasileirão é se o Palmeiras e Abel Ferreira vão conseguir trazer esse espírito dos jogos grandes, de muita concentração, volúpia e intensidade para os jogos contra os times menores. Contra Ceará e Goiás, o Palestra ficou devendo. Há agora outro grande jogo, o dérbi contra o Corinthians já nesse sábado. Veremos o que Abel Ferreira e seus jogadores poderão trazer de diferente para esse clássico.