Por Tática Didática
21/11/2021

(Foto: Cesar Greco/Palmeiras)

Após escalar o time praticamente inteiro reserva no Choque-Rei contra o São Paulo, Abel Ferreira colocou seus titulares no jogo de sábado a noite contra o Fortaleza, no Ceará, a exatamente uma semana da final da Libertadores. Em um gramado em péssimas condições e um adversário que abusou das faltas para matar as jogadas, a equipe alviverde teve um desempenho bem abaixo do esperado e acabou derrotada e teve que se contentar com o fato de nenhum jogador ter se machucado, apesar dos sustos.

O jogo começou com o Palmeiras pressionando mais no campo de ataque, tentando recuperar a posse de bola já no seu setor ofensivo. Após um início não tão bem ajustada, que permitiu ao Fortaleza trocar passes rápidos e encontrar espaços, a pressão palmeirense com Zé Rafael e Danilo se acertou e conseguiu recuperar algumas bolas no ataque. O Verdão, entretanto, não conseguiu criar nenhuma chance clara mesmo pressionando a equipe cearense.

Após esse início de pressão, o nível do jogo abaixou muito com o Fortaleza recuado dando a posse de bola ao Palmeiras, e esperando algum erro para sair em contra-ataque. Já o Palmeiras não sabia o que fazer com a posse de bola, com uma troca de passes lenta – muito devido ao péssimo gramado – e pouca movimentação dos seus jogadores mais avançados, a equipe ficava trocando passes entre os zagueiros com pouca objetividade.

O jogo ia transcorrendo assim até o final do 1º tempo, quando Gomez tenta fazer um passe mais agudo entrelinhas para Scarpa. O defensor do Fortaleza intercepta e arma o contragolpe da equipe cearense, que aproveita a desorganização da transição defensiva do Palmeiras para arrematar de fora da área. No rebote de Weverton, o atacante Robson, sozinho, abre o placar pro Fortaleza.

Para o segundo tempo, Abel faz uma alteração tática na saída de bola, recuando Danilo entre os zagueiros para dar mais velocidade na troca de passes, e avança bem os laterais. Assim o Palmeiras até tem mais o controle do jogo, fica mais no campo de ataque, mas não consegue construir lances de perigo, muito devido a fraca atuação técnica de seus jogadores, que erraram muito nos passes decisivos ou em finalizações.

Com as substituições feitas por Abel, o Palmeiras ganha mais dinamismo no meio com Patrick de Paula invertendo bem as jogadas e acelerando o jogo, e com Gabriel Veron, que entrou no lugar de Scarpa e foi jogar centralizado no ataque ao lado de Rony, o que confundiu um pouco a defesa do Fortaleza devido a constante movimentação dos dois.

No final do jogo, já com Deyverson em campo para tentar uma bola aérea, o Palmeiras encontra o gol de empate com Patrick que arrisca bem de fora da área e conta com a falha grotesca do goleiro. O VAR, porém, entra em cena, e o árbitro vai até a cabine para analisar a jogada e marca um impedimento de Gomez no lance.

O que mais preocupa em relação ao Palmeiras é a enorme instabilidade da equipe, alternando ótimos jogos com sequências horríveis, algo que tem acontecido por toda a temporada de 2021. Simplesmente é impossível prever qual o nível de jogo que o Palmeiras apresentará em campo no próximo sábado pela final da Libertadores. Nos jogos grandes da Libertadores o time respondeu bem, veremos se será assim na final.

Assista abaixo ao vídeo.