Por Catedral de Luz
19/07/2021

(Foto: Reprodução)

Caros amigos, as saudades eram grandes, mas cá estamos de retorno. A caminhada feita durante doze dias, estrada afora, não será esquecida e reservamos para breve, algumas linhas que compartilharemos com os leitores.

Julho não poderia ser melhor. Foram quatro vitórias no “Brasileiro” e uma na “Copa Libertadores”. Estaria “Abel Ferreira” provando aos torcedores que o nível competitivo do elenco palmeirense tem feito a diferença?

O jeito de jogar do time é fruto de palmas para uns e vaias para outros, mas a indiferença passa ao largo, talvez pela intensidade aferida pelas linhas alviverdes, pois manter o ritmo atual, em constante busca da posse de bola e em velocidade levar perigo ao adversário, onde cada ataque registra um chute a gol, é virtude para poucos no futebol brasileiro.

Esta é a cara da “S.E.P.”, caros leitores. À imagem e semelhança de seu treinador. Um time que joga de forma compacta e posicional, onde cada jogador entende a sua responsabilidade e para onde vai o curso da bola.

Dada a rigorosa competitividade do campeonato, certamente será vencedor aquele que cometer o menor número de erros durante os jogos e souber administrar o elenco com melhor desenvoltura.

Todavia, o mercado de contratações, principalmente dos clubes europeus, pode interferir nos destinos dos favoritos. Imagine perder peças chaves no funcionamento de seu time, amigo torcedor?

Cabe à diretoria alviverde lidar com astúcia e repor com consistência as faltas que venham a acontecer.

Contudo, a antecedência do sofrimento é um completo equívoco e quando ela for um fato consumado que os executivos alviverdes saibam agir satisfatoriamente nas negociações.

O escritor e colunista Catedral de Luz nasceu na turbulenta década de 60 e adquiriu valores entre as décadas de 70 e 80 que muito marcaram sua personalidade, tais como Palmeiras, Beatles, Letras, Espiritismo e História… Amizades… Esposa e Filha.
Os anos 90 ensinaram-lhe os atalhos, restando ao novo século a retomada da lira poesia perdidas.