Por Catedral de Luz
16/12/2020

(Foto: Cesar Greco/Palmeiras)

Amigos que me leem, a verdade é uma só. Afinal, o mundo mudou, a realidade é outra e o tempo é implacável com aqueles que se permitem desconhecê-lo.

Acabaram-se as frases de efeito, inclusive no futebol, onde era comum dizer-se que “eu ganho, vocês perdem e nós empatamos”.

Desculpas soam como requintes demagogos e ninguém está acima das críticas contundentes. Todos devem se responsabilizar pelo atos falhos caso queiram prosseguir sua jornada de jogador, técnico ou quiçá “cartola”.

Sim, não há espaço para idiossincráticos. A vaidade perdeu o elã. Profissionais por excelência, tais como “Abel Ferreira” vieram para ficar.

O “Português Palestrino” deixou claro que tem os atletas sob o mais absoluto controle. Nada que o elenco produza deixa de ter a sua chancela.

É no quesito acima que o “Gajo” faz uma diferença brutal, pois recuperar atletas com desempenho medíocre deixou de ser algo espantoso, porque mais proeminente é tornar cada jogo disputado muito mais fácil do que possamos imaginar.

As dimensões do gramado aumentam, quando o assunto é posse de bola palestrina. Administrar a “deusa branca” é algo que poucos no futebol do Século XXI sabem desenvolver com emérita propriedade. Chamamos de estilo, algo que o time alviverde tem e não paga placê.

Como que por mágica, a “Sociedade” voltou a ser competitiva e a um passo, talvez dois, três ou quatro de ser chamada de “Academia”. Todavia, quando o tema é arte, nós preferimos aguardar mais alguns capítulos.

Ficamos assim, porque a madrugada teima e o cansaço tarda, mas não falha. É hora de sonhar com passes precisos, lançamentos milimétricos, tabelas bem executadas e arremates infalíveis.

Este é o retrato incorrigível da “S.E.P.”. Perfeito e além das melhores expectativas.

Acho que dá para chegar mais próximo.

O escritor e colunista Catedral de Luz nasceu na turbulenta década de 60 e adquiriu valores entre as décadas de 70 e 80 que muito marcaram sua personalidade, tais como Palmeiras, Beatles, Letras, Espiritismo e História… Amizades… Esposa e Filha.
Os anos 90 ensinaram-lhe os atalhos, restando ao novo século a retomada da lira poesia perdidas.