Por Catedral de Luz
18/04/2022

(Fotos: Cesar Greco/Palmeiras)

Caríssimos leitores, o VAR trabalhou neste final de semana e foi cruel conosco. Porém, eu pergunto: Esta seria uma atitude tendenciosa deste colunista que vos escreve? Cabe aos amigos concluírem.

Eu explico o que falei acima. Não entendo de futebol

Embora não tenha um conhecimento apurado da matéria, eu busco ajuda nos internautas que me leem.

As críticas ácidas talvez reflitam a realidade dos fatos e o time alviverde seja verdadeiramente ruim, abaixo da crítica, e eu esteja viajando, perdido em pensamentos e isentando os limitados atletas alviverdes de sua responsabilidade. Afinal, o que conquistaram os jogadores da SEP para contarem com nosso apoio incondicional.

Seria justo jogar na cara do sofrido “filho da fila” alguns títulos inexpressivos, tais como Nacional e Libertadores?

Seria justo dizer ao triste torcedor da SEP que jogadores do naipe de Veiga, Dudu, Danilo, Gòmez e Weverton tem condições de defender o nosso manto sagrado?

Tais interrogações envergonham este colunista, tanto que o tal “choque acidental” proposto pelo VAR, ao validar o gol dos goianos neste final de semana deixa de ser censurado – para os esmeraldinos, é claro, porque a concorrência enxerga de outra forma –.

Verdade, caros amigos palestrinos. Nossos adversários conseguem valorizar aquilo que os alviverdes ignoram – basta assistir três ou quatro reacts deles, pós vitória frente aos bolivianos, neste meio de semana –.

Entretanto, sou apenas mais um curioso do futebol a verbalizar sobre a SEP. Na verdade, eu e as torcidas adversárias.

Por que?

O escritor e colunista Catedral de Luz nasceu na turbulenta década de 60 e adquiriu valores entre as décadas de 70 e 80 que muito marcaram sua personalidade, tais como Palmeiras, Beatles, Letras, Espiritismo e História… Amizades… Esposa e Filha.
Os anos 90 ensinaram-lhe os atalhos, restando ao novo século a retomada da lira poesia perdidas.