Por Catedral de Luz
23/06/2021

Enquanto o elenco alviverde discutia suas relações conflitantes e lavava a roupa suja, o campeonato continuava e finalizava mais uma rodada. Embora alguns clubes tenham jogos a menos, a “S.E.P.” aproveitou alguns tropeços adversários e culminou entre os quatro primeiros da tabela, o que faz o embate frente ao “Red Bull” um jogo de seis pontos.

Além dos desfalques costumeiros, motivados por competições fora de contexto e contusões imprevisíveis, “Lucas Lima” e “Patrick” se juntam às ausências, mais pelo raciocínio curto do que pela má-fé.

Tudo caiu nas mãos do preparador “Abel Ferreira” para soluções imediatas, o que no mínimo impõe ao torcedor a perspicácia necessária para atenuar as exigências. Cobrar constantemente, é claro, mas com prudência.

Contudo, a realidade passa ao largo de tal sítio imposto e o “Gajo” vai oferecendo aos olhos alheios os sinais iniciais dos calos nascidos pelos desgastes comprometidos com as batalhas.

A imprensa cobra do trabalho de “Abel” algo mais do que os triunfos alcançados com a “Copa do Brasil” e “Libertadores da América”, enquanto o torcedor “vai no vácuo” e não percebe que o time alviverde é competitivo, mas não é invencível – aliás, no futebol mundial, quem receberia a alcunha magna de invencível?–.

Sendo assim e enxergando à frente, uma fatia de otimismo é providencial. Basta analisar que o clube esmeraldino passa longe do termo “terra arrasada” e de que o “Presidente Galiotte” tem seus méritos, pois ninguém ganha de graça quatro títulos consideráveis como ele ganhou.

Ouvi falarem do termo “passar pano”? Questiono. Não entendo assim, pois não conheço o atual presidente palmeirense e meço sua régua pelas conquistas aferidas.

Mas alguns amigos prosseguem na linha dos adjetivos em tons pejorativos e se os mesmos refletirem algumas retificações serão realizadas.

O mestre “José Ezequiel Filho” explica bem o momento palestrino, à luz de sua experiência, através dos bastidores alviverdes: “Fio da navalha… Duros nas punições e responsáveis com o patrimônio investido… Mas tem que conhecer os meandros do futebol”.

Observo e concordo, “Ezequiel”. O futebol é um universo paralelo, onde o certo e o errado, o bem e o mal dependem do “PORÉM”.

Quem está no caminho adequado? Eu? Você? Nós – meio a meio, em comum acordo, ou não –? Ou ninguém? O resultado final responderá

Para ler e pensar.

O escritor e colunista Catedral de Luz nasceu na turbulenta década de 60 e adquiriu valores entre as décadas de 70 e 80 que muito marcaram sua personalidade, tais como Palmeiras, Beatles, Letras, Espiritismo e História… Amizades… Esposa e Filha.
Os anos 90 ensinaram-lhe os atalhos, restando ao novo século a retomada da lira poesia perdidas.