Por Catedral de Luz
15/12/2021

(Foto: Reprodução)

Sou um otimista por natureza. Acredito que o dia da voz palestrina está próximo.

Utopia? Talvez. Mas não sou o único. Quem não quer os torcedores alviverdes falando a mesma língua, onde a nossa bandeira está acima dos interesses pessoais?

Enquanto esse processo evolui, nós vamos fatiando o bolo dos assuntos e degustando saborosamente. A Copa Libertadores conquistada duas vezes na mesma temporada é para poucos e ela nos permite que o trato com o Mundial seja da mesma forma obsessiva.

E por falar em Mundial – fevereiro está aí – o Estadual será do sub-20, combinado? Afinal, a vida é feita de escolhas.

Estadual, Nacional, Libertadores – tri consecutivo? – … Obviamente os meses serão poucos para inúmeros jogos – ainda mais que teremos a cada vez menos ufanista Copa do Mundo.

Com tantos compromissos competitivos é imperativo contar com um elenco rico em variações táticas – e para isso é preciso buscar no mercado o que nos falta.

Aguardem, torcedores. A busca apenas começou. Cada um tem suas próprias preferências, mas o técnico é um só. Cabe ao nosso orgulho aceitá-lo e confiar nele.

E por falar em aceitar, hoje uma mulher assumirá a cadeira máxima da SEP. Confio em sua sensibilidade e na competência de grande empreendedora que lhe é peculiar.

Uma vida marcada por preconceitos impostos contra a nossa “famiglia” devem servir de sinalizadores.

Somos uma “Sociedade”. Sendo assim, o que é bom para mim deve beneficiar a você também. Afinal, ainda somos todos um.

O escritor e colunista Catedral de Luz nasceu na turbulenta década de 60 e adquiriu valores entre as décadas de 70 e 80 que muito marcaram sua personalidade, tais como Palmeiras, Beatles, Letras, Espiritismo e História… Amizades… Esposa e Filha.
Os anos 90 ensinaram-lhe os atalhos, restando ao novo século a retomada da lira poesia perdidas.