Por Roberto Galluzzi Jr.
16/08/2022

(Foto: Cesar Greco/Palmeiras)

As muito repercutidas declarações táticas do Abel Ferreira parecem ter incomodado muita gente, principalmente os treinadores brasileiros, que tem sua INCOMPETÊNCIA exposta de forma acachapante.

Melhor ainda a declaração do Scarpa, dizendo que nunca em toda sua carreira havia aprendido táticas da forma como aprendeu com o portuga, dizendo que tudo é MUITO MELHOR EXPLICADO, detalhado, pontuado e que a equipe RECONHECE SUAS LIMITAÇÕES e que cada jogador entra em campo sabendo exatamente o que deve fazer em cada situação.

O que falar, senão apenas compreender que nosso nível educacional e intelectual está muito aquém do que deveria? A verdade é que a educação brasileira é MUITO PIOR do que a maioria do mundo e isso fica claro nessas situações. Triste, mas uma verdade que nós temos que mudar.

Agora, cabe aos treinadores brasileiros a HUMILDADE de reconhecer a distância entre um trabalho profissional e a porcaria do “pega pega” nacional, ou sentarem-se no recalque vitimista. Vamos crescer, pô!!! Vamos evoluir! Deixemos de lado o regionalismo para absorver o que há de melhor noutras culturas! Só a antropofagia nos salva!

Obrigado Abel. Ninguém precisa ser perfeito e nem você o é. Mas trouxeste uma iluminação às nossas mentes, que há muito precisávamos. E ainda há muito a iluminar, principalmente no quesito TEMPO e GRUPO e sobre o quanto eles são necessários para que uma equipe consiga se entrosar e evoluir a ponto de apresentar um bom futebol, algo que pouquíssima gente parece compreender, no meio do futebol “novelesco” que nos é apresentado.

Nascido nos 70 e forjado nos difíceis anos 80, o Galluzzi enfrentou a fila inteira de 16 anos. Mas estava lá, em 12/06/93, in loco e muito loco pra assistir ao vivo o primeiro de muitos títulos, aos 21 anos! Talvez por isso, pra esse geração X raiz, roqueiro e paulistano da gema, não é qualquer derrota que a bala a fé.