Por Catedral de Luz
25/10/2021

(Fotos: Cesar Greco/Palmeiras)

Montevidéu será dividida ao meio, certamente.

Pensar na capital uruguaia unindo suas duas maiores torcidas – Nacional e Peñarol – em favor de um terceiro time parece impensável. Mais ainda se levarmos em conta que os elencos envolvidos na final da “Libertadores” são do “Brasil”, um dos tradicionais rivais sul-americanos da “Celeste”.

Porém, mesmo sem compromisso e “por amor ao futebol”, nada impedirá cada uma das torcidas dos clubes citados acima escolherem entre “S.E.P.” e “C.R.F.”.

Parece-nos que os torcedores “mirasoles” do “Peñarol” saem na frente pela escolha e optam, por motivos plausíveis, não pelos cariocas, mas contra “Felipe ‘Pitbull’ Melo”.

Lembranças da “Libertadores de 2017”? Racismo e violência polemizaram os embates entre “Palmeiras X Peñarol”.

Contudo, nada que o tempo não possa cicatrizar, embora o efeito “Piquerez” seja uma faca de dois gumes. Afinal, a simpatia pelo lateral é fato, mas a sua venda desfalcando os “carboneros” é ainda sentida.

Por outro lado, o efeito “Viña” trouxe divisas ao relacionamento entre “Palmeiras” e “Nacional”. Vantagens esportivas aos alviverdes e econômicas aos “bolsilludos”.

Mas tudo ainda é embrionário e subjetivo. Pauta da tradicional guerra psicológica envolvendo os torcedores uruguaios.

Seja dentro das quatro linhas ou fora delas nada está definido. Dois meses atrás tínhamos um ponto de vista diferente do que temos agora.

Aquilo que parecia perdido encontrou seu horizonte e o invencível sentiu e provou que sangra.

O escritor e colunista Catedral de Luz nasceu na turbulenta década de 60 e adquiriu valores entre as décadas de 70 e 80 que muito marcaram sua personalidade, tais como Palmeiras, Beatles, Letras, Espiritismo e História… Amizades… Esposa e Filha.
Os anos 90 ensinaram-lhe os atalhos, restando ao novo século a retomada da lira poesia perdidas.