Por Catedral de Luz
07/04/2021

(Ilustração: Reprodução)

Depois de “Abel Ferreira”, os conceitos táticos do futebol mudaram consideravelmente para nós, palmeirenses.

Descobrimos que o ato ou efeito de comandar um elenco demanda mais que “bruxaria” e “papo de boleiro”.

O arranjo tático de um time depende de vários fatores e isso já é um diferencial entre o técnico alviverde e o torcedor comum, candidato eterno a entender mais do que o próprio preparador.

Mas o que o torcedor comum ter a ver com o time alviverde além de torcer e distorcer os fatos, por intermédio de seu entendimento pessoal? Tudo e nada ao mesmo tempo.

O ilustre personagem escala, manda para a reserva e chama de “burro”, a despeito de sua passionalidade peculiar.

Entretanto, como diria o narrador de um antigo comercial de TV, ao vender facas: “E tem mais!”. Ele preside, nomeia “CEO”, “Diretor”, “Gerente” e seu “Supervisor”, além de contratar e vender jogadores. Enfim, um autêntico “eixo temático”.

Para ele, herói de inúmeras aventuras, eminência parda do cotidiano do clube, futebol é igual a beber cerveja no bar da esquina.

Não há comprometimento, porém há cobrança. É de sua natureza. Por ventura: Quem ganha “rios de dinheiro” são eles! – diria o homem, agora na figura de um ilustre corneteiro.

Sabe tudo e mais “25%”, este personagem folclórico, mas duvide dele quando o assunto for chegada e saída de jogadores. Aliás, ele não foi responsável pela “Tríplice Coroa”. Jamais substituiria “Menino” por “Breno”.

Ademais… Rapazes, do que falávamos? Ah! Mas… Quem é o técnico?

O escritor e colunista Catedral de Luz nasceu na turbulenta década de 60 e adquiriu valores entre as décadas de 70 e 80 que muito marcaram sua personalidade, tais como Palmeiras, Beatles, Letras, Espiritismo e História… Amizades… Esposa e Filha.
Os anos 90 ensinaram-lhe os atalhos, restando ao novo século a retomada da lira poesia perdidas.