Por Catedral de Luz
24/09/2021

(Foto: Cesar Greco/Palmeiras)

Esta coluna não está aqui para impor seus pontos de vista. Ao contrário sempre incentivou os leitores a se manifestarem, quer positiva ou negativamente. Afinal, a troca de ideias permite que o bom senso prevaleça e quem ganha é a “S.E.P.”.

Assim sendo, desde já isento o técnico “Abel” de críticas ácidas e considero-lhe um dos melhores preparadores em atividade no futebol brasileiro.

Tomo o jogo frente ao “C.A.M.” como exemplo, onde o time alviverde apresentou virtudes táticas e inconsistências técnicas.

A atitude tática alviverde deixou claro que o clube mineiro citado acima tentou armar um bote estratégico e não foi feliz.

Contudo, nossos melhores jogadores pouco produziram tecnicamente. Uma ou duas estocadas bem executadas em contra-ataques seriam suficientes para mudar a imagem do jogo.

Continuo a achar o elenco palestrino passivo de mudanças para a próxima temporada. Entretanto, agora, a “Libertadores” é prioridade.

O que será do próximo encontro? Nada posso afirmar. O inimigo tem a faca (mando de campo) e o queijo (com torcida). À “S.E.P.” restou o heroísmo de se superar dentro das quatro linhas.

Todavia, este é apenas o meu ponto de vista.

O escritor e colunista Catedral de Luz nasceu na turbulenta década de 60 e adquiriu valores entre as décadas de 70 e 80 que muito marcaram sua personalidade, tais como Palmeiras, Beatles, Letras, Espiritismo e História… Amizades… Esposa e Filha.
Os anos 90 ensinaram-lhe os atalhos, restando ao novo século a retomada da lira poesia perdidas.