Por Catedral de Luz
08/04/2022

(Fotos: Cesar Greco/Palmeiras)

Atravessamos uma fase sensacional e tudo indica que o término das conquistas está distante, porque a fórmula escolhida combina em gênero, número e grau com a estratégia adotada desde 2020, com a chegada de Abel Ferreira.

A concorrência procura a resposta, mas não encontra. Enquanto alguns treinam utilizando-se de uma metodologia inadequada para o elenco que possuem, outros vivem o veneno do choque de suas vaidades. Ao final, o que resta são as felicitações à SEP.

Mas o que o alviverde faz e que o torna conquistador? A SEP treina. Cotidianamente. Horas a fio.

Todavia, a concorrência também treina. Contudo, o time esmeraldino incorpora além dos treinamentos triviais outros fatores de suma importância, tais como disciplina e confiança mútua.

Poucos elencos conquistariam um campeonato no final de semana – domingo, mais precisamente – e se reapresentariam no dia seguinte, treinariam de forma leve e se concentrariam após, pois na terça, ao raiar do dia, mais um treino intenso seria realizado, antes de uma estafante viagem a San Cristóbal, Venezuela.

Pois é, tudo isso foge ao lugar-comum dos vícios cometidos pelos jogadores brasileiros.

Paulatinamente, vanguardista por natureza, a SEP ensina aos outros que treinar não adoece, educa e dá dois corpos de vantagem.

Não é a toa que o fácil não fica difícil e o difícil é enfrentado com extrema naturalidade.

Como diria Scarpa, “treinar, todo mundo treina, mas entender o motivo são muito poucos”.

A SEP não espera que seus atletas joguem instintivamente. Cada um raciocina suas responsabilidades dentro das quatro linhas.

Isto posto concluímos que pelejar pelo Palmeiras é uma tarefa árdua, onde somente aqueles que desafiam suas inteligências alcançam sucesso. Ninguém executa funções dentro de campo que não possam ser apreendidas pelo cérebro.

Aquele que mais raciocina é aquele que mais conquista.

O escritor e colunista Catedral de Luz nasceu na turbulenta década de 60 e adquiriu valores entre as décadas de 70 e 80 que muito marcaram sua personalidade, tais como Palmeiras, Beatles, Letras, Espiritismo e História… Amizades… Esposa e Filha.
Os anos 90 ensinaram-lhe os atalhos, restando ao novo século a retomada da lira poesia perdidas.