Por Leandro Santile
28/12/2021

(Foto: Fabio Menotti/Palmeiras)

Amigos Palestrinos, bom dia.

Mais uma vez vejo nas redes discussão sobre a direção do clube e os rumos tomados quanto as dívidas que constam em nossos passivos.

Venho fazendo uma análise do balanço do verdão há alguns anos, e em todas elas digo que dívida não é sinal de fraqueza, afinal nosso patrimônio era mais que suficiente para cobri-la, e diferente de uma empresa que necessita do giro de sua mercadoria para obter lucro (ou superávit no caso dos clubes), uma entidade desportiva tem sua “mercadoria” contabilizada como imobilizado, ou seja, o retorno financeiro, se existir, irá demorar para acontecer. Esse motivo é um dos que em determinados momentos alavancam o endividamento dos clubes.

Também alerto ao final da minha análise que, eu, como administrador, iria criar um plano de ação para amortizar esses débitos, afinal deixar a conta para pagar na mesa para quem ficou enquanto você se mandou, não é nada louvável.

Essa semana, recebemos a notícia que o verdão irá utilizar o prêmio que a patrocinadora irá pagar pela conquista da libertadores para amortizar a dívida que o clube possui com a mesma patrocinadora.

A princípio isso gera uma confusão danada, conflito de interesse é a primeira confusão que aparece na mente e nas palavras dos “jornalistas” de plantão.

Claro que existe uma linha tênue quando a presidente do clube também preside as empresas patrocinadoras, mas, dizer que nesse caso existe um privilégio é um pouco de exagero.

Iremos encerrar o ano com uma previsão de superávit acima dos R$ 100 milhões, os juros (CDI que rege a remuneração dos contratos de empréstimos) subindo a cada mês, e ainda existe previsão de mais alta para o próximo ano, um cenário onde possuir dívidas não é a melhor opção.

Agora, você, diante desse cenário, com dinheiro para investir (superávit de mais de 100 milhões), não iria usar um bônus para reduzir a dívida? Mesmo esta estando no prazo?

Eu quitei meu apartamento antes do prazo, afinal com o recurso que eu aportava para pagamento das prestações mensais, investi em um outro imóvel de forma parcelada, sem juros.

Não estamos na administração, difícil falar sem estar lá, sem verificar os números com exatidão, porém com base em algumas leituras de mercado não vejo um erro nesse procedimento que fora aprovado pelo COF.

E você, amigo palestrino? O que pensa? Eu ainda comemoro o tri. Grande abraço a todos e um ano de 2022 tão bom quanto foi 2021 para todos nós.

Avanti Palestra.