Por Catedral de Luz
30/12/2020

(Foto: Reprodução Youtube)

Pois é, há fatos que a memória teima não esquecer.

Embora os cuidados de sua mãe, a infância deixou marcas e as “lendas urbanas” não eram assuntos folclóricos. Enfim, “fantasmas existem”. Ontem, hoje e em primeiro lugar, sempre.

— Convite, alegria e fantasia. Recreio dos Bandeirantes? Não! O Maracanã é o templo do futebol! É carioca! E no mítico Corcovado quem abrirá os braços serei eu, amigo “Belchior”.

Estamos em outubro. Primavera de 1973. Tarde de sol. Rio que te fala segredos de criança de nove ensandecidos anos.

— Pai, estamos aqui por” Zico”, “Doval”, “Dario” ou pela magia de “Caju”? Graças a Deus somos o “vermelho, preto e branco”.

— Pai, quanto tempo mais para o primeiro gol? Você prometeu!

— Pai, quase meia hora e aquele sujeito arrogante arrematou e balançou as redes do grande “Renato”. Eu fui um bom menino e não mereço sofrer pelas mãos da tristeza.

— Pai, por que a gente martela e o gol não sai? Vai acabar o jogo! Quem é esse “oito” que teima avançar a galope, invadir a área e delirar com o tento implacável. Quem tinha que abrir os braços no Corcovado? Eu! É claro!

— Pai, te agradeço pelo passeio. Pena que aquele “camisa dez” adversário… Quem é ele, mesmo?

— Ele é o “Divino”, filho. Simplesmente “Divino”.

Os fatos acima são verídicos, com algumas licenças poéticas utilizadas nos diálogos.

Entretanto, a “S.E.P.” conquistaria, a despeito da força oponente, mais um título Brasileiro.

Estamos próximos de janeiro e o “Rio” continua lindo, desde “1951”.

Apesar do repertório.

O escritor e colunista Catedral de Luz nasceu na turbulenta década de 60 e adquiriu valores entre as décadas de 70 e 80 que muito marcaram sua personalidade, tais como Palmeiras, Beatles, Letras, Espiritismo e História… Amizades… Esposa e Filha.
Os anos 90 ensinaram-lhe os atalhos, restando ao novo século a retomada da lira poesia perdidas.