Por Catedral de Luz
17/01/2022

(Foto: Reprodução)

Preferimos analisar a vaidade nos outros porque nos coloca no comando das ações, mas na verdade esse vício habita o homem desde que o mundo conta histórias.

Não pensem que a Presidente alviverde é o único ser vaidoso existente na face da terra, mas mesmo para personagens idiossincráticos é fundamental ouvir a voz ecoando ao seu redor. Ninguém vence batalhas de forma solitária, principalmente no futebol.

O futebol é um ambiente único, de valores próprios e que precisam ser vivenciados por pessoas abertas a aprender sempre. Amadores não desfilam por suas alamedas, principalmente no Allianz Parque.

Quando falamos sobre a figura de Leila Pereira não desprezamos seu sucesso incondicional nas empresas que administra com profissionalismo e competência, mas não nos cansamos de lembrar que o futebol é um arsenal de armadilhas, pois trabalha com a lógica associada ao passionalismo dos torcedores.

A senhora Leila Pereira escolheu o aprendizado empírico e fez da prática a árdua caminhada dos próximos três anos. Sentada na cadeira presidencial da SEP – ora mágica, ora elétrica – certamente aprendeu algumas lições. Todavia, não precisa ser assim.

Amiga Leila – permita-me tratá-la assim –, cargos não ignoram times de coração.

A guerra chamada futebol é a única onde o perdedor não derrama sangue, mas a derrota abre chagas enormes e profundas. Reveja conceitos, mas não todos, pois a maioria das atitudes estão corretas. Porém, não perca para os mínimos detalhes.

Longa vida à Rainha, mas cuidado com a forca.

O escritor e colunista Catedral de Luz nasceu na turbulenta década de 60 e adquiriu valores entre as décadas de 70 e 80 que muito marcaram sua personalidade, tais como Palmeiras, Beatles, Letras, Espiritismo e História… Amizades… Esposa e Filha.
Os anos 90 ensinaram-lhe os atalhos, restando ao novo século a retomada da lira poesia perdidas.