Por Catedral de Luz
01/04/2022

(Fotos: Reprodução)

Difícil, mas não impossível.

Chegou a hora de honrar a camisa palestrina e lutar incessantemente pela vitória, pois o fator “diferença de gols” será uma consequência.

Perdemos, porque não estávamos afinados com o ritmo imposto ao jogo.

Embora o espírito copeiro tenha se tornado algo constante em nossas partidas, não carregamos para as quatro linhas o habitual sangue nos olhos.

Poderia enumerar vários fatores que nos fizeram coadjuvantes, mas soaria piegas e a resposta certamente virá nesse domingo, porque não desaprendemos a lutar.

Parabéns ao vencedor por lembrar aos atletas alviverdes que o campeonato ainda tem mais um jogo, inúmeros chutes e cabeceios ao gol e a virtude técnica e tática não existe apenas em seus jogadores.

Contra tudo e contra todos! – diria Abel Ferreira. Talvez, coach! Afinal, agora a justiça alimenta-se de subjetividades, alertas que induzem e passionalismos enrustidos até nas arquibancadas.

Todos somos um! – diria o “Gajo Vencedor”. Assim sendo, da mesma forma que capitulamos, certamente renasceremos das cinzas, juntos, de mãos dadas, porque nascemos para vencer.

Por que não?

Insatisfeitos são aqueles que não enxergam o quanto o caminho dos últimos meses foi bom.

O escritor e colunista Catedral de Luz nasceu na turbulenta década de 60 e adquiriu valores entre as décadas de 70 e 80 que muito marcaram sua personalidade, tais como Palmeiras, Beatles, Letras, Espiritismo e História… Amizades… Esposa e Filha.
Os anos 90 ensinaram-lhe os atalhos, restando ao novo século a retomada da lira poesia perdidas.