Por Catedral de Luz
16/03/2022

(Foto: Cesar Greco/Palmeiras)

Acho sadio discutir futebol, sistemas de jogo, estratégias e competências.

Enquanto o mundo gira, as formas de se chegar ao gol adversário diversificam-se e provam de modo objetivo que é necessário aperfeiçoar-se para encontrar o caminho das vitórias.

Dentro das quatro linhas quem manda é a disciplina tática, o espírito de grupo e a confiança mútua entre comandante e comandados.

Todavia, a chave mestra do espetáculo está sob a tutela dos narradores do evento. Aqueles que pelo microfone ou notebooks tecem as tramas do acontecimento e para tal é fundamental a verdade.

Quando falamos em verdade, não estabelecemos proprietário ou propriedade. Ou seja, a verdade é.

Hipócritas são aqueles que ultrapassam as fronteiras da análise factual. Quem interpreta o jogo de forma tendenciosa claramente esqueceu o propósito inicial de sua presença como testemunha.

Basta uma dose singela de bom senso para envergonhar-se com certas atitudes manifestadas pela imprensa nos últimos dias ao analisar o técnico Abel Ferreira. Esqueceram-se do profissional e focaram no homem, de forma amarga e pessoal. Deixa-nos inclusive com uma dúvida: Será ele o alvo principal ou a SEP? Criatura ou criador?

Até quando o cronista esportivo interpretará “o intocável”?

Ao enxergarmos nossa ignorância começamos a evoluir. Aliás, já passou da hora.

O escritor e colunista Catedral de Luz nasceu na turbulenta década de 60 e adquiriu valores entre as décadas de 70 e 80 que muito marcaram sua personalidade, tais como Palmeiras, Beatles, Letras, Espiritismo e História… Amizades… Esposa e Filha.
Os anos 90 ensinaram-lhe os atalhos, restando ao novo século a retomada da lira poesia perdidas.