Por Eduardo Luiz
29/03/2021, 13h16

(Foto: Cesar Greco/Palmeiras)

Alegando “enorme retrocesso no cuidado da saúde dos atletas”, e também um “enorme prejuízo técnico” com a paralisação do Campeonato Paulista, a FPF tentará nova cartada junto ao Ministério Público Estadual para retomar os jogos mesmo durante a Fase Emergencial, que está vigente desde 15/3 e que foi prorrogada até 11/4 (antes iria até 30/3).

Em nota divulgada no site oficial, a entidade informou que os médicos dos 16 clubes participantes da Série A1 aprimoraram o Protocolo de Segurança e que irá apresentar as novas medidas em reunião marcada para hoje, às 19h30.

Para convencer o MP, que hoje tem a palavra final, os clubes se dispõem a criar um ambiente controlado para os atletas (bolha) e aumentar a periodicidade de testes, dentro outras medidas.

Confira abaixo a nota da FPF e as novas medidas que serão propostas:

“A Federação Paulista de Futebol, os 16 clubes do Paulistão Sicredi, os Sindicatos dos Atletas, dos Árbitros e dos Treinadores se reuniram virtualmente nesta segunda-feira. Abaixo, as deliberações deste encontro:

— O Comitê Médico da FPF, presidido pelo Prof. Dr. Moisés Cohen, se reuniu na última semana com os médicos dos 16 clubes da competição. Do encontro, a partir do agravamento da pandemia, foi definido um aprimoramento do já rigoroso Protocolo de Saúde da competição. O modelo prevê a organização de ambientes controlados, em que os clubes ficarão isolados em centros de treinamento ou hotéis, se deslocando apenas para os jogos. O documento cita ainda maior frequência de testagens, redução de efetivo de pessoas nos jogos, entre outras medidas de controle. O conceito será levado ao Ministério Público Estadual, em reunião a ser realizada nesta noite, e ao Governo do Estado de São Paulo;

— Os clubes e a FPF ressaltam que este cenário com a renovação da fase emergencial gera um enorme retrocesso no controle de saúde dos atletas e comissões técnicas, além de um enorme prejuízo técnico. Por esta razão, a FPF e os clubes apresentarão ao Ministério Público e ao Governo do Estado de São Paulo a necessidade de realizar partidas da competição no Estado de São Paulo até 11 de abril, sob este protocolo aprimorado e seguro do ponto de vista médico;

— O Futebol Paulista, sob este mais rigoroso protocolo, seguirá contribuindo para o controle e prevenção do agravamento da pandemia, com testagens constantes em atletas, comissões técnicas e funcionários dos clubes, especialmente dos assintomáticos (maioria dos atletas)”.