Por Roberto Galluzzi Jr.
03/08/2022

(Foto: Divulgação/Red Bull Bragantino)

Repercutindo a informação de que o Palmeiras apresenta problemas no fluxo de caixa.

A notícia não mente em seus números, mas descontextualiza, quando na verdade poderia dizer:

O FUTEBOL BRASILEIRO TEM PROBLEMA DE CAIXA.

Essa é a verdade: TODO clube brasileiro que se pretenda PROTAGONISTA de uma série A se torna, automaticamente, deficitário (até vender suas pratas). Discutamos ISSO. O custo do futebol é INVIÁVEL, salvo pela venda de jogadores. E isso acontece HÁ DÉCADAS!

O problema é que muito mais fácil do que questionar o PRODUTO futebol na forma como existe, é lançar uma dúvida sobre os clubes, eternamente acusados de má gestão.

É ESSE lugar comum da “má gestão” dos clubes que deveria ser questionado, em detrimento de uma dialética que recai no DINHEIRO que custa aos clubes ser competitivo, com valores estratosféricos.

A imprensa não questiona o produto futebol e concentra o foco nos clubes, porque dá mais audiência. Mas não ajuda a formar uma opinião contextualizada.

Como dizem vários estudos financeiros, a situação econômica do Palmeiras é saudável e sustentável, até pelos prêmios e patrocínio recebido. Mas se ATÉ um clube como o Palmeiras adianta receitas, o que dizer de uma imensa maioria que não dispõe de tais recursos?

Nascido nos 70 e forjado nos difíceis anos 80, o Galluzzi enfrentou a fila inteira de 16 anos. Mas estava lá, em 12/06/93, in loco e muito loco pra assistir ao vivo o primeiro de muitos títulos, aos 21 anos! Talvez por isso, pra esse geração X raiz, roqueiro e paulistano da gema, não é qualquer derrota que a bala a fé.