Por Catedral de Luz
24/12/2021

(Foto: Reprodução)

Natal, Papai Noel, Presentes… Enfim, todo final de temporada é a mesma coisa.

Você esquece o dedo na tecla F5 e vibra com as “notícias” produzidas pelas redes sociais.

Entre o céu e o inferno perambulamos. Na verdade habitamos o purgatório de nossos desejos mirabolantes. Terra Média de nossas fantasias de torcedor.

Vislumbramos elencos estelares e ao final do dia nos deitamos com inúmeros boatos desencontrados.

Sonhamos com Lionel Messi e exorcizamos CR7. Mandamos o Diretor Barros ao cadafalso e, obviamente, cortamos-lhe a cabeça todas as manhãs – Medievalismo puro, diria Massini ao balançar suas madeixas.

Mas tudo na vida resume-se ao trabalho de uma conjunção adversativa que batizamos de “porém”.

Assim sendo… Tudo pode acontecer… Porém…

Conta-nos o bom senso que acreditar no canto das sereias das redes sociais não é inteligente, prudente e, principalmente saudável.

Os menestréis das mentiras – ou inventores de universos fictícios, para sermos diplomáticos – chegaram à Mídia Palestrina e conseguiram ao custo módico de um like a sua saborosa atenção – de um like atrás do outro os quinze minutos de sucesso chegam ao ego de nossos personagens.

Mas a verdade continua sentada à beira do caminho, na espera de que o tempo coloque os fatos nos devidos lugares e todos nós consigamos atingir a maturidade, não nos deixando levar pela maledicência dos “fogos Caramuru”.

Aprendamos a fazer escolhas e tenhamos em mente que a verdade não tem proprietário. Ela é.

Feliz natal a todos.

O escritor e colunista Catedral de Luz nasceu na turbulenta década de 60 e adquiriu valores entre as décadas de 70 e 80 que muito marcaram sua personalidade, tais como Palmeiras, Beatles, Letras, Espiritismo e História… Amizades… Esposa e Filha.
Os anos 90 ensinaram-lhe os atalhos, restando ao novo século a retomada da lira poesia perdidas.