Por Catedral de Luz
01/11/2021

(Foto: Cesar Greco/Palmeiras)

Faça a festa torcedor alviverde. “Dias das Bruxas”, “Halloween”…Vencemos o “Grêmio”, adversário tradicional, embora sua campanha seja decepcionante. Entretanto, mais uma vez eu afirmo, o problema não é nosso.

Na verdade, eu gostaria de falar aos torcedores e técnicos da “S.E.P.” que palpitam durante o decorrer dos jogos.

É algo ritualístico criticar as mudanças promovidas pelo português “Abel Ferreira”. Porém, ele enxerga fatos que passam longe do conhecimento dos candidatos a treinador.

Enquanto o palmeirense torce e critica, “Abel” acompanha a bola, a disputa dela, além das condições físicas, técnicas e táticas de cada atleta.

Quando o vai e volta de “Scarpa” e “Dudu” deixou de ser eficiente, coube ao “Gajo” trocar as peças. Pois uma delas, “Breno”, a despeito dos apitos eloquentes – alguém se lembrou do “Maracanã”? – foi feliz e contemplado com um gol, motivado pela assistência de mais um substituto, “Danilo Barbosa”, depois da troca de passes com “Danilo”, outro que substituiu.

Pasmem, “falsos profetas”. No futebol há outros fatores que importam tanto quanto o domínio de bola.

Aliás, você sabia que cada jogador tem a posse de bola por quatro minutos, aproximadamente?

Assim sendo, o deslocamento de cada atleta em campo chamando a atenção adversária e abrindo espaços é fundamental. “Raphael Veiga” não desempatou o jogo casualmente. “Rony” puxou “Kannemann” para a esquerda da defesa gremista e propiciou ao articulador alviverde o arremate fatal.

Nada é mais providencial do que o erro do “falso profeta”.

Por que “Danilo Barbosa” e “Breno”? Pergunte ao “Abel”.

Sejam humildes ao constatarem que os “falsos profetas” cometem erros, iludidos pela empáfia. Afinal, ela é o fruto da busca frenética por likes em redes sociais.

Usando da sinceridade, o exemplo citado acima é o fim da palestrinidade e começo dos interesses pessoais.

Mas os elementos lembrados são a quarta parte do todo e só incomodam quando o resultado contraria os interesses alviverdes: – Perceberam? Eu não falei?

Sigamos o nosso destino.

Ah! Sempre é bom lembrar que graças a “Deus” o “VAR” veio para contrariar aqueles que desfrutavam dos equívocos caseiros que tanto assolavam o futebol brasileiro.

Embora não seja um instrumento perfeito ainda é o melhor caminho.

O escritor e colunista Catedral de Luz nasceu na turbulenta década de 60 e adquiriu valores entre as décadas de 70 e 80 que muito marcaram sua personalidade, tais como Palmeiras, Beatles, Letras, Espiritismo e História… Amizades… Esposa e Filha.
Os anos 90 ensinaram-lhe os atalhos, restando ao novo século a retomada da lira poesia perdidas.