Por Catedral de Luz
11/09/2020

(Foto: Cesar Greco/ Palmeiras)

Acredite, o mundo vem mudando, mesmo que os homens que definem os destinos da sociedade ainda tenham tempo para incorrer em algumas sandices mais.

Embora o mundo continue a girar e procure inviabilizar o último selo dos “cavaleiros do apocalipse”, há ainda os falsos profetas que agregam conquistas por intermédio de estratégias eticamente desconfiáveis.

Sim, no futebol encontramos vários personagens iguais aos citados acima e um deles demonstra claramente que o seu desejo é canalizar o ódio de seu torcedor com outras questiúnculas, para que elas empanem os inúmeros problemas produzidos por sua máquina administrativa.

Vencer o rival deixou de ser importante, pois a prioridade agora é panfletar que os três meses de salários atrasados foram quitados. O simples fato de pagar seus jogadores não transforma mediocridade em competência.

Mas vencer o rival é extremante importante, diriam seus seguidores. Principalmente por meios escusos, como em 2018, conforme o ilustre demagogo tem discursado nas entrevistas, com ironia e sorriso de canto de boca.

Porém, as lideranças nefastas não se perpetuam no poder estabelecido. Ilegais no que propõem, por intermédio de seus “modus operandi”, elas tendem a perecer pelo próprio veneno. Eu não duvido que seus pares aproveitem a primeira oportunidade e introduzam cicuta em seu copo de birita.

Tenho um recado ao Presidente da concorrência: “Deixa Estar”, como diriam os “Beatles”, mas o momento pede “Deixa Sangrar”, como gritariam os “Rolling Stones”.

A vitória é apenas um mero detalhe para nós. Afinal, a vida continua e da mesma forma não se encerrou há duas temporadas atrás. Superamos as mazelas produzidas pelos elementos misteriosos que mudaram o resultado de um campeonato e provamos por intermédio do Brasileiro 2018 e Paulista 2020 que a volta por cima foi dada.

Enquanto isso, na terra verde, “Luxemburgo” resiste, remonta um time desacreditado, dá suporte aos jovens valores palestrinos e ressuscita atletas como “Zé Rafael” e “Lucas Lima”.

Por essas e outras… Let It Bleed! Deixa sangrar!

O escritor e colunista Catedral de Luz nasceu na turbulenta década de 60 e adquiriu valores entre as décadas de 70 e 80 que muito marcaram sua personalidade, tais como Palmeiras, Beatles, Letras, Espiritismo e História… Amizades… Esposa e Filha.
Os anos 90 ensinaram-lhe os atalhos, restando ao novo século a retomada da lira poesia perdidas.